7º Simuladinho Comentado RD!

Olá pessoal! Confiram abaixo os gabaritos comentados das questões publicadas no facebook na segunda-feira (26/11/12):

Simuladinho Comentado RD 07/2012

QUESTÕES DE PORTUGUÊS (26/11/12) – PROFESSORA MERCEDES BONORINO

QUESTÃO 1. (TRE-2007) acreditavam, com isso, que criavam um portal para o mundo metafísico das ideias religiosas. (5o parágrafo) Os verbos grifados acima, considerando-se o tempo e o modo em que se encontram, indicam, no contexto,

a) processo em decurso permanente no passado.

b) ação realizada em um tempo determinado, no passado.

c) probabilidade de realização de um fato qualquer.

d) situação transcorrida no passado, anterior a outra, também passada.

e) condição essencial para a realização de um fato.

Resposta: Alternativa A

Comentário:

Resposta correta (A). Os dois verbos sublinhados estão no Pretérito Imperfeito do Indicativo que indicam processo em curso no passado ou processo habitual no passado. Veja quadro abaixo:
Tempo Desinência Uso Exemplo
Pretérito

Imperfeito

 

 

1ª conjugação Processo em curso no passado

OU

Processo habitual no passado

Ele estudava/lia inglês, quando o pai entrou.
-va 

-ve (só para 2ª pessoa do plural – VÓS)

2ª e 3ª conjugações Estudava/lia inglês no colégio.
–ia

-ie (só para 2ª pessoa do plural –  VÓS)

QUESTÃO 2. (UFSC/Tec. Educ./2009) Assinale a alternativa CORRETA quanto à adequação à norma padrão escrita em relação às regras de concordância.

a) Existe problemas éticos de difícil trato no exercício das profissões neste terceiro milênio.

b) Adota-se, modernamente, nos setores empresariais, medidas éticas compatíveis com as demandas da tecnologia atual.

c) Houve, em tempos passados, problemas éticos que hoje ganharam novos contornos.

d) Convém a todos as medidas éticas adotadas nos códigos normativos contemporâneos.

e) Fazem anos que discussões éticas sobre temas polêmicos como pena de morte e aborto estão em pauta na agenda contemporânea.

Resposta: Alternativa C

Comentário: 

a) Errada. Verbo EXISTIR é pessoal, isto é, possui sujeito e com ele deve concordar.

Deveria ser “Existem…”

b) Errada. Veja teoria da partícula SE apassivadora:

VERBOS COM PARTÍCULA –SE

1. Apassivador: quando o verbo transitivo direto ou transitivo direto e indireto aparece apassivado pelo pronome se, concorda com o seu sujeito.

Analisou-se o plano de reforma agrária.

VTD                sujeito

Analisaram-se os planos de reforma agrária.

VTD                               sujeito (verbo concorda com o sujeito)

Portanto, deveria ser “Adotam-se…”

c) Certa. Verbo HAVER é impessoal, isto é, não possui sujeito. Portanto, o verbo fica na 3ª pessoa do singular.
d) Errada. Olha que sutil !!!

Primeiro: não se esqueça de que o sujeito do verbo é “AS MEDIDAS ÉTICAS…” e está posposto ao verbo, o que pode “iludir” a análise. Em ordem direta a oração ficaria assim:

As medidas éticas adotadas nos códigos normativos contemporâneos convêm a todos.

Segundo: não se esqueça da diferença dos acentos agudo e circunflexo no que diz respeito ao plural dos verbos derivados de VIR e TER. Certo?

Assim, o verbo deve ir para o plural concordando com o sujeito.

e) Errada. Verbo FAZER no sentido de “tempo decorrido” é impessoal – não possui sujeito. Assim o verbo fica na 3ª pessoa do singular: Faz anos que…”

QUESTÃO 3. (CESGRANRIO/ELETROBRÁS/Administrador/2010) O acento indicativo da crase só está corretamente empregado em

(A) Só consegui comprar a televisão à prestações.

(B) O comerciante não gosta de vender à prazo.

(C) Andar à pé pela orla é um ótimo exercício.

(D) Entregue o relatório à uma das secretárias.

(E) Chegaremos ao trabalho à uma hora da tarde.

Resposta: Alternativa E

Comentário: 

(A) Errada. Não se usa crase:

Diante de um substantivo empregado no sentido indefinido ou genérico.

Exemplo: Só falava a pessoas conhecidas.

… falava a + (  ) pessoas…

(note a presença da preposição a e a ausência do artigo definido as)

Mais exemplos:

Não vou a festas nem a bailes.

Dedicas o poema a homem ou a mulher?

Contei o caso a uma senhora estranha.

Não dou atenção a pessoas hipócritas.

Portanto, o correto seria:

Só consegui comprar a televisão a prestações.

(B) Errada. Não se usa crase:

Diante de um substantivo masculino ou de locução adverbial cujo núcleo é um substantivo masculino

O certo seria:

O comerciante não gosta de vender a prazo

(C) Errada pelo mesmo motivo da alternativa (b)
O certo seria:

Andar a pé pela orla é um ótimo exercício.

 

(D) Errada. Não se usa crase:

Diante de artigo indefinido.

O certo seria:

Entregue o relatório a uma das secretárias.

(E) Certa.

Veja teoria: Crase diante de locução adverbial feminina – tempo:

PREPOSIÇÃO + ARTIGO FEMININO (A(s))

às três horas

à uma hora

desde as três horas

até as três horas

durante as três horas

Quando a preposição não for A, mas outra qualquer, como DESDE/ATÉ/DURANTE, a crase não ocorrerá.

QUESTÃO 4. (FEPESE/Prefeitura de Florianópolis/Contador/2007) Analise as proposições abaixo e assinale a única correta.

A) Quero falar consigo.

B) Nunca viu-se tamanha bobagem!

C) Assim como é correto dizer “Meus pais saíram conosco” também é correta a frase “O chefe falou com nós mesmos”.

D) As frases “Os rapazes não estavam rindo só das meninas” e “Os rapazes não estavam rindo, só das meninas” possuem o mesmo sentido.

E) Em “Suas ordens e decretos foram obedecidos”, o particípio obedecidos poderia estar no feminino – obedecidas – sem prejuízo da correção gramatical e lingüística.

Resposta: Alternativa C

Comentário: 

a) Errada. O pronome “consigo” só pode ser usado de forma reflexiva. Exemplos: Ele traz consigo o material.
b) Errada. Palavra atrativa atrai o pronome oblíquo “se” – próclise. Correto seria: “Nunca se viu tamanha bobagem!”
c) Certa. “COM NÓS”, “COM VÓS” pode ser usado desque em seguida haja uma espcificação:

“…com vós todos”

“…com nós tês”

Do contrário, usa-se “CONOSCO”, “CONVOSCO”.

“… Ele vai conosco amanhã”

d) Errada. As orações não possuem o mesmo significado. O advérbio “só” em (1) incide tanto sobre o verbo “rindo somente”, como também “somente das meninas”; enquanto que em (2) o advérbio “só” incide apenas sobre a expressão “das meninas”.

1)“Os rapazes não estavam rindo só das meninas” = estavam rindo também de outras pessoas.

2)“Os rapazes não estavam rindo, só das meninas” possuem o mesmo sentido. = só estavam rindo das meninas.

e) Errada. Concordância Verbal: a forma do particípio do verbo principal em uma locução deve concordar com o sujeito composto no plural. Além disso, cabe ressaltar a questão de Concordância nominal de gênero: quando um adjetivo se refere a um substantivo masculino e outro feminino, ele pode ficar no masculino plural (concordando com o conjunto), ou pode concordar com o substantivo mais próximo. Neste caso, entretanto, não cabe esta análise por dois motivos: 1) não se trata de adjetivo e sim do verbo principal; 2) além disso, o substantivo feminino “ordens” – o 1º núcleo do sujeito composto – é o núcleo mais distante. Logo, por qualquer análise, é impossível tal construção

QUESTÃO 5. (CESGRANRIO/ELETROBRÁS/Administrador/2010) Observe a regência do verbo em destaque, no trecho abaixo, retirado do Texto 1.

“ É o momento em que é preciso fechar o livro, apagar o abajur, desligar a televisão, interromper a conversa, em suma, o que quer que esteja protegendo o insone de si mesmo, de ser entregue ao seu próprio pensamento.”  (l. 19-20)

Com que verbo, em destaque abaixo, ocorre a mesma regência?

(A) A reportagem mostrava a importância da sesta.

(B) A menina criou o costume de dormir de luz acesa.

(C) Antes de dormir, ele se esqueceu de desligar a televisão.

(D) A insônia não livra o trabalhador de cumprir seu horário.

(E) O cientista tinha orgulho de suas pesquisas sobre o sono.

Resposta: Alternativa D

Comentário: 

Primeiramente, cabe analisar a regência do verbo do enunciado: “…o que quer que esteja protegendo o insone de si mesmo, …”

(…) protengendo [ alguém ]  [ de algo/alguém ]

VTDI               OD             OI

Portanto, devemos localizar a alternativa que tenha a mesma reg~encia da oração acima.

(A) Errada.

“… mostrava [ a importância da sesta.] ”

VTD                OD

Observação: “da sexta” é complemento do nome (substantivo abstrato) “importância” e não complemento verbal de “mostrava”.

 (B) Errada. Bem parecida com o caso acima.

“…criou [ o costume de dormir de luz acesa. ]  “

VTD                        OD

Observação: “de dormir de luz acesa” é complemento do nome (substantivo abstrato) “costume” e não complemento verbal de “criou”.

(C) Errada. Antes, vamos recordar a regência do verbo “esquecer”:

1) Não pronominal: VTD.

Exemplo: Esqueci a morte de Sena.

2) Pronominal: VTI.

Exemplo: Esqueci-me da morte de Sena.

Veja que o verbo “esquecer” na oração da alternativa está sendo usado com pronome “se” – logo é pronominal. Assim, a análise sintática fica:

“.. se esqueceu [ de desligar a televisão. ] “

VTI                         OI

(D) Certa! Quem livra, livra [ alguém ] [ de algo ]

“… não livra o trabalhador de cumprir seu horário. “

VTDI      OD                   OI

(E) Errada. Bem parecida com as alternativas (A) e (B).

“… tinha [orgulho de suas pesquisas sobre o sono.] “

VTD                        OD

Observação: “de suas pesquisas sobre o sono” é complemento do nome (substantivo abstrato) “orgulho” e não complemento verbal de “tinha”.


QUESTÕES DE DIREITO ADMINISTRATIVO (26/11/12) – PROFESSORA DEBORAH RICO

QUESTÃO 1. A respeito da disciplina dos atos administrativos, julgue o item que se segue.

(CESPE/TJ RR/Analista Processual/2012)Quando o sujeito pratica o ato administrativo em hipótese considerada pela lei como de impedimento, resta configurada a nulidade absoluta, circunstância que impede a convalidaçãodo ato.

(           )CERTO

(           )ERRADO

Resposta: ERRADO

Comentário: Quando há vício, defeito, em algum dos elementos formadores do ato administrativo este possui nulidade. Quando o vício é incorrigível, trata-se de nulidade absoluta e o ato é nulo. Já quando o vício é corrigível, sanável, trata-se de nulidade relativa, hipótese em que o ato é anulável, ou seja, pode ser declarado nulo ou ser convalidado (consertado). A convalidação é possível quando o vício for no elemento sujeito ou forma. Na referida questão há vício de sujeito que é sim convalidável, e trata-se, portanto,-se de nulidade relativa.

QUESTÃO 2. Com referência à disciplina dos atos administrativos, julgue os itens que se seguem.

(CESPE/MPE PI/Analista Ministerial-Processual/ 2012) A revogação não pode atingir os meros atos administrativos, tais como as certidões e os atestados.

(           )CERTO

(           )ERRADO

Resposta: CERTO

Comentário: A revogação ocorre a critério da Administração, quando o ato não é mais conveniente ou oportuno. No entanto, nem todo ato pode ser revogado. São irrevogáveis os atos: que já estão extintos; que geraram direitos adquiridos; vinculados; os atos apenas em sentido formal como certidões e atestados, já que estes são apenas cópias de registros ou declarações acerca de algo que a administração possui conhecimento.

QUESTÃO 3. Com relação aos atos administrativos, julgue os próximos itens.

(CESPE/TRE RJ/Técnico Judiciário-Administrativa/2012) Considera-se que o ato administrativo é válido quando se esgotam todas as fases necessárias para a sua produção.

(           )CERTO

(           )ERRADO

Resposta: ERRADO

Comentário: Quando se esgotam todas as fases necessárias a sua produção o ato é considerado PERFEITO. Mesmo PERFEITO (tendo concluída a sua formação), este pode ser válido ou inválido. Será inválido se tiver vício, defeito, em algum de seus elementos. Já se não possuir qualquer vício será válido. Assim, PERFEITO é o ato que concluiu o ciclo de formação e VÁLIDO o que não possui vícios.

QUESTÃO 4. A respeito do ato administrativo, julgue os itens que se seguem.

(CESPE/MCTI/Tecnologista Pleno I/Projetos de Tecnologia e Inovação/2012) Nem todo ato praticado pelo Poder Executivo é ato administrativo, podendo, por exemplo, ser ato político.

(           )CERTO

(           )ERRADO

Resposta: CERTO

Comentário: Os atos administrativos são emitidos pelo Executivo na sua função típica, pelo judiciário e legislativo na sua função atípica de se autoadministrarem. No entanto, nem todo ato emitido pelo Executivo será administrativo, este é apenas manifestação de vontade exercida pela administração pública na sua função administrativa e não na política (de governo).

QUESTÃO 5. Julgue o item subsequente, relativo ao ato administrativo.

(CESPE – 2010 – INSS – Engenheiro Civil)A administração pública pode anular os próprios atos, quando eivados de vícios que os tornem ilegais, hipótese em que a anulação produz efeitos retroativos à data em que tais atos foram praticados.

(           )CERTO

(           )ERRADO

Resposta: CERTO

Comentário: Correto, conforme súmula do STF 473: “A Administração pode anular seus próprios atos, quando eivados de vícios que os tornem ilegais, porque deles não se originam direitos; ou revogá-los, por motivo de conveniência ou oportunidade, respeitados os direitos adquiridos, e ressalvada, em todos os casos, a apreciação judicial.”

Acompanhe também no facebook, do Rico Domingues os comentários acerca da prova do IBAMA 2012, que cobrou questão idêntica a essa. O gabarito preliminar na prova do IBAMA foi considerado como correto, posteriormente alterado para incorreto. Os prejudicados estão fazendo contra-recurso. Vamos aguardar e verificar qual será o posicionamento final da CESPE.

Anúncios
Esse post foi publicado em Institucional. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s